Radioguide.fm

Radioguide.fm

envia ao seu amigo

Muzangala TV

Loading...

LOUCO SERÃO

GALERIA

LOUCO SERÃO

Etiquetas

configuração rato

Massa para mais e melhores professores

BM concede crédito de 75 milhões usd para Angola



O Banco Mundial (BM) aprovou um crédito de 75 milhões de dólares (55,3 milhões de euros), destinados à formação de 24 mil professores em Angola, que vão ensinar meio milhão de alunos, em quase mil escolas primárias.
 
 
Em comunicado, o BM adianta que aquele valor foi aprovado no âmbito da Estratégia de Parceria do País (CPS) para Angola, para apoiar os esforços do Governo angolano na melhoria do acesso à saúde, educação de qualidade e outros serviços chaves, fortificação da governação, criação de oportunidades para as mulheres e combate às alterações climáticas.
 
 
Angola vai alterar a sua posição junto da Associação Internacional de Desenvolvimento (AID), em junho de 2014, como resultado de uma subida acentuada do seu rendimento "per capita", que já ultrapassou o limite de elegibilidade para continuar a beneficiar dos recursos da AID.
 
 
"Portanto, esta CPS foi preparada para apoiar a transição e definir áreas que poderiam ser apoiadas com um novo conjunto de instrumentos, entre os quais o conhecimento que ocupa um lugar de destaque", sublinha a nota.
 
 
A AID, fundo do BM criado em 1960 para ajudar os países mais pobres, através da concessão de créditos sem juros, financia o "Projeto Angola Aprendizagem para Todos", com vista a ajudar os professores a adquirirem habilidades e conhecimentos nos próximos cinco anos.
 
 
O projeto vai ainda apoiar a criação de um sistema de avaliação regular dos alunos, em particular para português e matemática, bem como ajudar a administração baseada na escola.
 
 
O Governo angolano participa neste projeto com uma contribuição de cinco milhões de dólares (3,6 milhões de euros).
 
 
Para o diretor residente do BM para Angola, Lawrence Clarke, a aprovação desta estratégia constitui "um marco histórico nas relações de Angola com o grupo Banco Mundial".
 
 
 
 
Fonte: Lusa