Radioguide.fm

Radioguide.fm

envia ao seu amigo

Muzangala TV

Loading...

LOUCO SERÃO

GALERIA

LOUCO SERÃO

Etiquetas

configuração rato

Infantino, Presidente da FIFA, Apanhado nos Panama Papers


Gianni Infantino apontado na negociação de contratos suspeitos em 2006 e 2007

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, terá intermediado enquanto dirigente da UEFA um negócio de cedência de direitos televisivos com uma sociedade offshore, por um montante bastante abaixo dos valores de mercado, referem os documentos do caso Panama Papers.

De acordo com o jornal alemão Süddeutsche Zeitung, o recém-eleito presidente da FIFA assinou em 2006 e 2007, enquanto responsável do departamento jurídico da UEFA, contratos de cedência de direitos televisivos relativos a três temporadas da Liga dos Campeões.

Os contratos terão sido assinados com a empresa Cross Trading, dos empresários argentinos Hugo e Mariano Jinkins, que alegadamente compraram os direitos televisivos por 111 mil dólares (cerca de 97,5 mil euros) e os revenderam por mais de 311 mil dólares (273 mil euros).

Os dois empresários são acusados pela justiça norte-americana de subornos no quadro do escândalo de corrupção que abalou o organismo máximo do futebol mundial.

A UEFA reagiu, entretanto, alegando que, à época, "não eram conhecidos os verdadeiros proprietários da empresa".


"Ganni Infantino foi um relevante membro da UEFA durante muitos anos, bem como alguém que agiu sempre com total profissionalismo e integridade. Este ataque ao seu carácter e à reputação da UEFA, baseado em provas inexistentes, representa um dia triste para o futebol e para o jornalismo", pode ler-se numa nota de imprensa divulgada pela UEFA.

O órgão de cúpula do futebol europeu admitiu que deu no passado "respostas inicialmente incompletas" quando questionado sobre transacções comerciais com empresas ou indivíduos indiciados pela justiça norte-americana no âmbito do escândalo de corrupção na FIFA: "Não tivemos tempo inicialmente de verificar todos os milhares de contratos e, por isso, a resposta que demos foi incompleta."

A UEFA admite, relativamente ao contrato em questão, que o convénio foi o resultado de um concurso realizado por uma empresa externa à organização e que a empresa Teleamazonas/Cross Trading venceu, porque "apresentou a oferta de mais elevado valor".

A organização afirma-se "totalmente disponível" para "discutir e explicar" este e outros assuntos.

Os Panama Papers são o resultado da maior investigação jornalística da história, divulgada na noite de domingo, envolvendo o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), com sede em Washington.

Na investigação são destacados os nomes de 140 políticos de todo o mundo, entre eles 12 antigos e atuais líderes mundiais.

A investigação resulta de uma fuga de informação e juntou cerca de 11,5 milhões de documentos ligados a quase quatro décadas de actividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas offshore em mais de 200 países e territórios.

A partir dos Panama Papers, como são conhecidos, a investigação refere que milhares de empresas foram criadas em offshores e paraísos fiscais para centenas de pessoas administrarem o seu património, entre eles rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.